Lance a Lance: Confira os momentos marcantes da Etapa 6 – 300km de Goiânia

Resumo dos 300km de Goiânia:

Na largada, Piquet mergulhou por dentro para assumir a liderança, enquanto Aguiar e Neugebauer disputavam o segundo lugar, e Ricardo Baptista era o quarto. Na abertura da segunda volta, o safety car entrou na pista após dois contatos distintos, um deles entre os carros #0 e #90 na chicane e o outro entre os carros #52 e #7 – neste, os dois escaparam na Curva Zero, com Betinho Gresse indo parar na caixa de brita, e Danilo Dirani com a roda quebrada.

Na relargada, depois de cinco voltas com o safety car, a ordem dos cinco primeiros era: Piquet, Aguiar, Werner, Ricardo Baptista e Hellmeister. Na classe GT3, em sétimo no geral, Chico Horta era o primeiro colocado com o carro #77.

Na oitava volta, Aguiar e Neugebauer vieram lado a lado nas três primeiras curvas, Hellmeister tentou enfiar por dentro, e, na entrada do miolo, houve contato entre os carros #31 e #8. Hellmeister seguiu, mas perdeu posição para Jimenez, que, em poucas voltas em bandeira verde, subiu de 18º para quarto. Sérgio seguiu progredindo e assumiu o terceiro lugar na volta 10 ao passar Baptista no fim da reta. Jimenez era o segundo mais veloz da pista, só atrás do líder.

Jimenez mergulhou por dentro de Aguiar na curva 1 na volta 11 e assumiu a vice-liderança. Naquele momento ele tinha 5s5 de desvantagem para Piquet. Na GT3, em nono no geral, Ramos liderava à frente de Kreis Jr. Logo atrás, em bela disputa, Salles dividia freada com Horta pelo terceiro lugar na classe e 11º no geral.

Na abertura da 14ª volta, assim como no ano passado, o carro #27 iniciou a rodada de pit stops. Em 2019, a dupla Di Grassi/Baptista parou mais cedo e, com isso, teve muito tempo de pista livre e assumiu a liderança. A parceria entrou nos boxes em nono no geral.

Enquanto isso, Piquet vinha abrindo vantagem na liderança, com 7s7 sobre Jimenez em 14 voltas. Hellmeister era o terceiro, seguido por Aguiar e Kaesemodel. Pela GT3, Ramos liderava em oitavo no geral, com Kreis Jr em segundo, em décimo no geral. Em 13º no geral, Maurizio e Marco Billi lideravam na GT3 Trophy e GT3 Sport.

Na volta 17, Lico passou Aguiar, e Hellmeister enquadrou Jimenez. Depois de 30 minutos de prova, Piquet liderava com 10s5 de frente por Jimenez, que era pressionado por Hellmeister, com Kaesemodel 3s atrás, e Aguiar completava o top5. Em nono no geral, Ramos seguia liderando na GT3. Naquela altura, o único carro que havia feito a parada era o #27, com a substituição de Baptista por Di Grassi.

Na abertura da volta 25, Lico levou a máquina #91 para os pits e, com isso, o carro #100, de Alceu Feldmann, foi promovido ao top5. Na GT3, o líder era Kreis Jr, em oitavo no geral. Jimenez também entrou nos boxes e, naquela altura, Piquet, que havia liderado todas as voltas, já não era o mais veloz da pista, com Di Grassi andando na casa de 1m25s3, com Nelsinho, no fim do primeiro stint, virava 1m25s8.

Com 45 minutos de corrida, a maioria dos competidores já havia entrado nos pits para a primeira parada obrigatória. As exceções eram Piquet, com o carro #80, Aguiar, Feldmann, Sanchez. Esses pilotos já haviam percorrido 30 voltas, lembrando que o mínimo obrigatório para cada piloto é de 32 voltas. Com isso, Sanchez liderava nas classes GT3 e GT3 Sport.

Nelsinho entrou nos boxes depois de guiar 31 voltas, com 27s9 de vantagem para Aguiar. Este e Feldmann entraram na volta seguinte também cumprindo o mínimo necessário para cada piloto, e não havia mais necessidade de eles voltarem para a pista. Com os carros da Carrera estacionados nos boxes para reabastecimento, Sanchez entrou no box após 32 voltas, como líder da GT3 e GT3 Cup Sport. Com a mesma tática, Ricardo Fontanari fez a mesma coisa.

No começo da volta 34, o carro #8, que já vinha fumando, recolheu para o box de apoio, impactando a estratégia da dupla da Shell, que seria obrigada a transformar essa passagem nos boxes em uma das paradas obrigatórias. Com todo o ciclo de paradas feito, Ziemkiewicz aparecia na ponta, com uma hora de prova, 13s6 à frente do carro #91, com Kaesemodel ao volante.

Rodrigo Mello era o terceiro, à frente de Lucas di Grassi, que já entrava para a segunda parada. Com o carro #20, Salas era o quinto. Pela classe GT3, a liderança era de Feffer, em nono no geral, uma posição à frente de Raphael Reis.

Nas primeiras voltas de seu stint, Rouman vinha no mesmo ritmo de Lico, sustentando a vantagem acima dos 12 segundos. Na sequência, Salas passou Mello e subiu para terceiro. Naquela altura, o carro mais rápido da pista era o #100, de Thiago Camilo, com a melhor volta da prova. Kaesemodel entrou nos boxes na volta 39, o que deu mais uma posição a Camilo.

Na GT3 Cup, a disputa era muito bonita entre Feffer, Reis e Freire. Os carros vinham em oitavo, nono e décimo no geral e percorreram uma volta praticamente emparelhados, com o carro #100 dando uma volta. Raphael soube fazer a leitura no momento de dar passagem a Camilo, ficou por dentro na Curva Zero e assumiu a liderança da classe ao se posicionar bem para tomar uma volta. Freire também mergulhou por dentro de Feffer e assumiu o segundo lugar na GT3, mantendo Reis na alça de mira.

Na volta 43, Salas baixou a diferença para Rouman para menos de dez segundos, com 8s4. Mas Camilo também vinha tirando a diferença para o carro #20. Em quarto, Mello entrou nos pits, com Seripieri em quinto. Na GT3, Reis era o primeiro à frente de Freire, Feffer e Dennis Dirani.

Salas seguia tirando a diferença para Ziemkiewicz, e Camilo também tirava a diferença para Guilherme. Com isso, anunciava-se uma disputa tripla pela liderança antes do fim do stint, com Seripieri em quarto e Auler, uma volta atrás, em quinto. Rouman entrou nos boxes na abertura da volta 48 ainda na liderança, e Salas ficou com a primeira colocação à frente de Thiago.

Camilo se aproximou muito de Salas, favorecendo-se da negociação com o tráfego, mas fez o pit antes de efetivamente atacar em busca da liderança, na volta 54. Na mesma volta, Mello rodou com o carro #29, mas voltou sem danificar o carro.

Rouman deixou os boxes em 15º no geral para fazer seu segundo stint, mas ele ainda devia 16 voltas para chegar nas 32 mandatórias. Pela classe GT3, em quinto no geral, Freire liderava à frente de Reis, que havia entrado nos boxes para a segunda parada obrigatória.

Salas entrou nos boxes depois de completar 56 voltas, e Seripieri seguiu na pista, com Auler em terceiro, com apenas um pit realizado. Na volta 59, Baptista trouxe o carro para a área técnica de forma inesperada, e, na mesma passagem, Totaro rodou entre as curvas 2 e 3 com o carro #45, enquanto Rafael Suzuki teve o pneu traseiro direito furado no fim da reta dos boxes e teve de dar praticamente uma volta inteira em três rodas.

Na volta seguinte, Camilo partiu definitivamente para o ataque e passou Salas no fim da reta principal. A disputa era pelo sexto lugar naquele momento, mas poderia valer pela liderança, já que outros ainda fariam o pit stop. A essa altura, volta 60, Átila Abreu ocupava a liderança no carro #15, com apenas um pit realizado. Com os carros #31, #77 e #88 nos boxes, Camilo era o mais rápido da pista, em quinto.

Faltando 15 voltas para a bandeirada, Abreu ainda liderava, mas com apenas um pit realizado, devendo duas paradas. Entre os carros com duas paradas, a ordem era Camilo, Salas, Kaesemodel, Ziemkiewicz e Zonta. Átila saiu de sua segunda parada em sexto, mas ainda devendo um pit, enquanto outros pilotos já faziam a terceira parada. Thiago seguia na ponta com 30 segundos de frente sobre Rouman, que entrou nos pits na abertura da volta 68. Hellmeister era o terceiro, à frente de Zonta e Guerra.

Com duas horas de corrida e sete voltas para a bandeirada, Camilo liderava ainda devendo uma parada, com o segundo e terceiro colocados Hellmeister e Guerra dentro dos boxes, e Horta e Abreu em quarto e quinto, mas ainda devendo uma entrada nos boxes. Entre os carros que já não deviam nenhuma parada, em sétimo aparecia Salas. O décimo colocado Marco Billi deu uma rodada no “S” na volta número 72.

Salas saiu com força para o último stint, tentando tirar a desvantagem para Camilo, anunciando que a prova seguia aberta depois de mais de duas horas e a cinco voltas do fim. Já Átila parou na volta 76 um pouco depois de Salas passar Camilo na saída dos boxes. Nas demais posições de top5, Di Grassi, Massa e Neugebauer. Em sétimo, Piquet liderava na classe Carrera Sport, enquanto na GT3, ainda no box, a liderança era de Abreu, e a ponta na GT3 Trophy era de Marcondes.

Além da disputa pela liderança entre Salas e Camilo, Massa por fora passou Di Grassi no fim da reta, e os carros seguiram na disputa no miolo no que prometia ser a briga pelo terceiro lugar. Na volta seguinte, a disputa entre os ex-pilotos de F1 teve Lucas recuperando o terceiro lugar, a três voltas do fim.

Átila deixou os pits no momento em que Salas abria a última passagem, com Camilo a quatro segundos, Di Grassi e Massa seguindo o duelo, e Werner em quinto. No fim, a vitória ficou mesmo com Guilherme Salas, enquanto Nelsinho Piquet ganhou a classe Cup Sport em sexto no geral. Na GT3, Raphael Reis venceu em décimo geral, à frente de Ramos e Freire. Em quarto na classe e liderando a divisão Sport era o líder, em 13º no geral. Marcondes recebeu a bandeirada em primeiro na Trophy.

PARCEIROS