Garanta Seu Ingresso

Tradicionais rivais, Constantino e Rosset têm 1º confronto direto pelo título da Porsche GT3 Cup

Sempre apontados como favoritos, donos de três títulos e 55 vitórias na categoria, eles estão entre os principais nomes da década de história da Porsche GT3 Cup. Mas Constantino Jr. e Ricardo Rosset têm em 2014 seu primeiro “confronto direto” pela coroa do campeonato.

Líder da temporada e recordista em vitórias na categoria (com 36 triunfos em 86 largadas), Constantino Jr. tem um título da Porsche GT3 Cup, conquistado em 2011. Naquela temporada, Ricardo Rosset ocupava a primeira posição na tabela de classificação quando sofreu um acidente de bike que o impediu de disputar algumas provas.

Já em 2010 e 2013 -anos do bicampeonato de Rosset-, o adversário do carro #00 não participou de todas as etapas.

Neste sábado, um deles sairá campeão de Interlagos.

Constantino leva 12 pontos de vantagem sobre Rosset e pode ser o quarto bicampeão da história da Porsche GT3 Cup (ao lado de Ricardo Baptista, Miguel Paludo e do adversário direto). Já o competidor do carro #1 corre em São Paulo para ser o primeiro tricampeão da categoria.

Com 42 pontos em jogo na última rodada dupla do ano, os dois pilotos têm na história da categoria elementos para acreditar no título. Até hoje, apenas em uma temporada (2008), o piloto que chegou à etapa final na liderança terminou sem o título. E foi justamente Constantino Jr, vice para Miguel Paludo.

Os duelistas pelo título de 2014 da Porsche GT3 Cup abrem a série de perfis dos possíveis campeões da temporada.

Constantino Jr.
Largadas: 86
Vitórias: 36
Poles: 17
Título: 2008
Classificação no campeonato 2014: 1º (205 pontos)

O recordista em vitórias na Porsche GT3 Cup iniciou carreira no kart e passou pela Fórmula Ford no início dos anos 90. Em 1992 foi vice-campeão da F3 Sul-Americana e partiu para a Fórmula 3000 na temporada seguinte.

O passo natural era avançar para a F1, mas a temporada atribulada na F3000 e o fato de ter crescido muito para competir em monoposto acabaram afastando o piloto do carro #00 das pistas por mais de uma década.

Em 2006, Constantino faz sua estreia na Porsche GT3 Cup e conquista um honroso terceiro lugar logo em seu primeiro final de semana. No ano seguinte, abre a temporada com vitória.

A temporada 2008 marcou seu primeiro vice-campeonato na categoria e o recorde de oito vitórias consecutivas. No ano seguinte novamente acabou em segundo lugar.

Depois de uma temporada parcial na Stock Car em 2010, Constantino retornou para todas as etapas da Porsche GT3 Cup no ano seguinte, quando conquistou seu primeiro título da categoria.

Ele competiu também em eventos internacionais de GT e endurance, como as 24 Horas de Daytona e 24 Horas de Spa.

Qual sua tática para o título?
Não acredito tanto assim em tática nem em planejar muito na véspera. Em tese deveria ser “conservador”, mas é muito difícil abandonar minha característica, que é aproveitar as oportunidades. Naturalmente meu apetite pelo risco deve ser um pouco menor pela vantagem nos pontos, mas se surgirem as chances na pista vou aproveitar.

Qual seu melhor momento no ano?
Começamos o ano muito bem no Estoril e agora no final do campeonato tivemos boas performances em Interlagos. É uma ansiedade bacana disputar esse título com o Rosset em São Paulo.

Qual foi a etapa mais divertida do ano até aqui?
Tivemos grandes momentos em 2014, mas as duas provas do final de semana das 6 Horas de São Paulo foram muito bacanas. Estava bem à vontade na pista e consegui ser bem rápido.

O que pensa para 2015?
Ainda não tenho nada fechado, mas adoro a categoria. O Dener Pires (diretor geral da Porsche GT3 Cup Challenge) faz um trabalho fantástico: o nível está cada vez mais competitivo e o ambiente é sensacional.

Ricardo Rosset
Largadas: 55
Vitórias: 19
Poles: 12
Títulos: 2013 e 2010
Classificação no campeonato 2014: 2º (193 pontos)

Bicampeão da Porsche GT3 Cup, Ricardo Rosset é o único piloto da história da categoria com passagem pela Fórmula 1.

Ele começou no kart aos 20 anos de idade e rapidamente subiu por outras classes internacionais de monoposto como Fórmula Ford, Formula Opel e F3 Britânica. Em 1994, venceu corrida na F3 Britânica e se credenciou para um dos carros vencedores na F3000 no ano seguinte, quando acabou como vice-campeão pela equipe Supernova atrás do italiano Vicenzo Sospiri. Além da possibilidade na F1, ele testou também um carro na Indy no final de 1995.

Em 1996, 1997 e 1998, Rosset competiu na principal categoria do mundo, pelas equipes Arrows, Lola e Tyrrell. Em 97, ele teve seu primeiro contato com a Porsche Cup, convidado para correr em Monaco.

Após uma década parado com o fim de sua aventura na F1, Rosset testou o carro da Porsche Cup pilotado por Walter Salles, com quem fez a dupla vice-campeã no GT Brasil em 2008.

Em 2010 faz sua estreia como piloto regular da Porsche GT3 Cup e vence corrida no Rio logo em sua terceira largada na categoria. Acaba a temporada com seu primeiro título.

Depois de perder parte da temporada 2011 e não competir em 2012, Ricardo retornou à categoria no ano passado, para levantar seu segundo título na prova final.

Qual sua tática para o título?
Depois das últimas corridas, aumentou a margem do Constantino. Tenho que terminar na frente dele as duas corridas de sábado. Se vencer será ótimo, mas preciso ficar na frente dele para tirar a diferença de pontos.

Tem que contar um pouco com a sorte também, porque ele é muito rápido e constante e está guiando muito.

Nas últimas corridas em Interlagos consegui um bom trabalho para largar na pole, mas com pneu novo mascarou um pouco uns probleminhas que meu carro apresentou nas corridas.

Qual seu melhor momento no ano?
O mais surpreendente foi minha vitória no Velo Città. O final de semana estava meio perdido, com o carro quebrado pouco antes da segunda largada. Vi o campeonato voar ali e liguei para o Charles Reed pedindo o carro dele emprestado para salvar alguns pontos. Acabei ganhando a corrida apesar da adversidade e por isso continuo acreditando no título ainda.

Qual foi a etapa mais divertida do ano até aqui?
Na quarta etapa em Curitiba tive um duelo muito bonito com o Júnior. Nós dois andamos no limite dos nossos carros e da nossa pilotagem, com roda na grama e tudo. Ele me passou na penúltima volta e consegui dar o troco na seguinte para vencer a corrida. Foi uma briga muito limpa, um momento memorável nesta temporada.

O que pensa para 2015?
Meu foco está na temporada 2014, em terminar da melhor forma possível. Para o ano que vem, vamos avaliar quando acabar a temporada. Mas em princípio gostaria sim de continuar.

Classificação – Cup – Após 8 etapas
1- 00 Constantino Jr. 205
2- 1 Ricardo Rosset 193
3- 7 Clemente Lunardi 149
4- 27 Ricardo Baptista 136
5- 13 Pedro Queirolo 119
6- 15 Marcel Visconde 118
7- 88 Eduardo Azevedo 111
8- 3 Franco Giaffone 92
9- 81 Gil Farah 84
10- 77 Daniel Schneider 75
11- 08 Rodolfo Ometto 72
12- 99 Tom Valle 49
13- 34 Maurizio Billi 45
14- 4 Gui Affonso 42
15- 10 Adalberto Baptista 39
16- 18 Carlos Ambrósio 36
17- 52 Roberto Posses 32
18- 63 Sérgio Ribas 24
19- 9 Guilherme Figueirôa 16
20- 71 Rodrigo Hanashiro 14
21- 36 Charles Reed 14
22- 70 Marcelo Franco 8
23- 17 Marcelo Stallone 7
24- 20 Carlos Silveira 3
25- 89 Daniel Paludo 0
26- 14 Patrick Dempsey 0

PARCEIROS