Garanta Seu Ingresso

Líder na Challenge, Marçal Müller garante: ‘O fato de o tão esperado título estar perto faz a tensão aumentar!’

Onze vezes campeão gaúcho e duas vezes campeão brasileiro de Motocross, Marçal Müller tem conseguido um desempenho dominante poucas vezes visto na Porsche Império GT3 Cup nos últimos anos. Afinal, nas cinco corridas disputadas até o momento no campeonato de Sprint, ele foi ao pódio em quatro.

A temporada começou com um domínio absoluto do competidor do carro #544, com vitórias nas três primeiras etapas: Curitiba, Interlagos e Velo Città. Em Buenos Aires, pela primeira vez, ele não levou o troféu de vencedor. Mesmo assim, a segunda colocação na primeira corrida foi o suficiente para mantê-lo na ponta da temporada – ele abandonou a segunda prova na capital argentina, mas apenas o melhor resultado conta para o campeonato.

Em seu segundo ano na Porsche Império GT3, Marçal está próximo de sua primeira conquista. Para isso, o atual líder da temporada precisa de um quarto lugar em uma das provas em Termas de Río Hondo, neste fim de semana, ou chegar três posições à frente de Eloi Khouri e quatro, de Marcus Vario nas duas corridas.

Marçal fez sua prova de estreia pela categoria Challenge em 2016, vencendo na classe Challenge Sport. Agora, tem tudo para manter a sequência de vitórias, dessa vez, com um título.

Confira um bate-bola com o piloto:

1- Como você avalia sua temporada até agora, com três vitórias e um segundo lugar?
Marçal Müller: Realmente, não esperava que meu rendimento nas três primeiras etapas fosse tão bom. Acreditava que tinha chances de brigar pelas cinco primeiras colocações, mas me surpreendi positivamente fazendo três poles positions e três vitórias. Isso me posicionou muito bem no campeonato. Como a Sprint tem seis etapas e um descarte da pior posição, hoje, eu estaria descartando um ótimo segundo lugar.

2- A sequência de vitórias foi quebrada na etapa de Buenos Aires. Isso preocupa? Qual sua avaliação da etapa?
MM: Quando fui para Buenos Aires, logicamente, minha meta era tentar o melhor resultado possível e, quem sabe, mais uma vitória. Tive alguns problemas mecânicos no primeiro treino, o que dificultou minha adaptação em uma pista nova, mas não quero usar isso como desculpa. O segundo e o terceiro colocados do campeonato (Marcus Vario e Eloi Khouri) estavam com uma velocidade e uma adaptação muito superior, mérito deles. Somente na corrida me senti à vontade na pista, consegui ter uma boa velocidade e me recuperei do sétimo para o segundo lugar. Apesar de não ter sido uma vitória, foi uma recuperação muito boa e somei ótimos pontos para o campeonato.

3- Qual a expectativa para a etapa de Termas de Río Hondo?
MM: Minha expectativa para Termas é ter uma rápida adaptação na pista, pois não conheço o circuito. Quero tentar ficar entre os três primeiros colocados e, quem sabe, conseguir até mais uma vitória.

4- Apesar de ter mais uma etapa de Sprint após Termas, existe a possibilidade de você já conquistar o título na Argentina. Já parou para pensar nisso?
MM: Sim. Todo meu trabalho tem sido pensado na pontuação do campeonato, pois essa sempre foi minha meta desde início, não apenas ganhar etapas. Vou trabalhar com dureza. Estou focado para isso acontecer.

5- Essa situação muda sua preparação para a prova?
MM: De um modo geral, não. Não vou para a corrida pensando na vantagem que tenho, sempre tento me superar para buscar o melhor resultado de uma forma consciente. Vou dar o meu melhor até a última etapa. Mas, logicamente, o fato de o tão esperado título estar perto faz a tensão aumentar!

PARCEIROS