Garanta Seu Ingresso

Diretor geral da Porsche GT3 Cup Challenge aprova evento em Interlagos

Dividir o palco com a maior competição do esporte a motor mundial não é tarefa fácil. O comparativo com a estrutura, logística, capacidade promocional e performance com a Fórmula 1 é inevitável. E a Porsche GT3 Cup Challenge passou no teste com louvor em sua décima edição como preliminar do GP Brasil. A avaliação é de Dener Pires, diretor geral da categoria.

Ele aprovou a ação com os pilotos convidados, destacou a competitividade nos grids da Cup e da Challenge e a organização do evento. Mais ainda: aposta que novos recordes surgirão em três semanas quando a categoria voltar a correr em Interlagos. A seguir trechos da entrevista, concedida no Hospitality Center da Porsche GT3 Cup Challenge, depois da corrida da Fórmula 1.

Mais uma preliminar da F1 concluída. Qual sua avaliação em termos esportivos e promocionais?

Dener: Foi a décima! A gente veio cada vez afinando mais este evento, que envolve uma logística diferenciada já que tudo precisa acontecer rigorosamente dentro do horário.

Do ponto de vista esportivo foi muito bem. A corrida da Challenge foi um pouco mais curta em função de um acidente, o tempo estava bem ingrato entre chuva e seco obrigando uma decisão de pneu. Mas acho que foi correta a escolha. A prova da Cup demonstrou toda a competitividade da categoria, com uma corrida extremamente disputada que mudou a ordem do campeonato.

A parte promocional foi excelente, com o pessoal do staff trabalhando muito bem. Tivemos um recorde de 125 pessoas participando do Porsche Experience e outras tantas do Charity Drive.

Então o balanço é 100%: estamos no caminho certo e já tem uma série de anotações para aprimorar no ano que vem.

Em relação aos pilotos convidados, como analisa a experiência de contar com o Pedro Piquet e o Patrick Dempsey no grid e qual o feedback que eles passaram?

Dener: Pedro foi uma grande surpresa. Desde o teste que fizemos em Curitiba ele mostrou grande facilidade para assimilar o carro, sendo que nunca havia acelerado um carro de GT, só carros de fórmula. Se virou bem no carro o tempo inteiro, na chuva, no seco, soube administrar o pneu na classificação como deveria. Foi campeão. E não ofereceu nenhum tipo de risco para os demais competidores do campeonato, então acho que a participação do Pedro foi impecável.

O Patrick também. Já tinha experiência em GT, com três Le Mans, três 24 horas de Daytona, e esteve conosco antes conhecendo a pista. Isso mostra também o nível da categoria, pois mesmo um piloto com essa experiência passou apertado. Então acho que isso demonstra o nível dos nossos pilotos do ponto de vista esportivo inclusive.

No Velo Città já vimos na etapa passada os carros baixando bastante as marcas em relação a 2013 e aqui caíram mais 2s em relação ao que os pilotos fizeram em junho. Como encara a evolução dos tempos de volta na categoria?

Dener: A gente tem uma evolução constante e agora teve um salto mais expressivo devido também ao novo asfalto, que ficou muito bem. Mas os carros tenho certeza que estavam com um acerto ótimo mesmo com pouco tempo de pista, funcionaram adequadamente em termos de pressão de pneu, ajustes de alinhamento e tudo mais. Baixamos de forma expressiva o tempo e tenho certeza que na próxima prova que fizermos aqui em três semanas vamos baixar mais ainda.

PARCEIROS