Túnel do Tempo: Corridas históricas da Cup – “2009 – Terminando de marcha ré ”

A Porsche Cup Brasil entra no túnel do tempo para celebrar os 15 anos dos carros de competição mais produzidos do planeta em solo nacional.

Nossa viagem dessa semana é para o ano de 2009, em um dos momentos mais curiosos que tivemos nesses 15 anos de Porsche Cup Brasil. E o autor desse momento peculiar foi Clemente Lunardi, o nosso personagem da semana.

Mais especificamente, vamos voltar para a 10ª corrida do longínquo ano de 2009, em um dos traçados que reservam mais história no automobilismo nacional: Jacarepaguá.

Naquele final de semana em questão, tivemos as corridas 9 e 10 da temporada. A nona corrida foi movimentada, o líder do campeonato, Miguel Paludo, não completou a primeira largada daquele final de semana, com isso largou da última fila. Junto com ele, no fundo o grid largou também Constantino Júnior.

No topo do grid estavam Marcel Visconde, largando da posição de honra, acompanhado por Clemente Lunardi na primeira fila. Tom Valle, Ricardo Baptista, Luis Zattar e Otávio Mesquita também largaram do topo do pelotão.

A corrida em Jacarepaguá foi de tirar o fôlego. Ainda na primeira volta, a liderança já tinha mudado de mãos. Dois giros depois, Clemente Lunardi assumiu a ponta e de lá não saiu até a penúltima volta. Quem roubou a vitória de Lunardi foi Miguel Paludo! Saindo da última posição, o líder do campeonato escalou o pelotão inteiro para assumir a liderança e fechar a corrida em primeiro lugar.

Apesar da corrida movimentada, o momento mais marcante daquele final de semana no Rio de Janeiro ficou marcado por um fato curioso que aconteceu na última curva, na última volta.

Constantino Júnior, que veio lá do fundo do grid, disputava com Clemente Lunardi segunda posição, os dois pilotos andavam com uma distância mínima entre eles, os carros pareciam estar colados.

Constantino deu um leve toque na traseira de Lunardi, o suficiente para desestabilizar o carro de número #7. Lunardi viu a segunda posição escapar enquanto seu carro perdia o controle já na última reta. Após rodar, Clemente Lunardi teve reação rápida o suficiente para garantir a terceira posição. Sabe como? Isso mesmo, de marcha ré!

No instinto, o piloto do carro #7 engatou a marcha ré e cruzou a linha de chegada na terceira posição, garantindo o pódio em Jacarepaguá.

Clemente Lunardi lembrou daquele momento curioso como único na vida dele. “Nunca imaginei que fosse terminar uma corrida de marcha ré! Naquele ano o Miguel e o Constantino estavam andando muito. Esse momento específico, quando o Constantino me tocou, não percebi que o radiador dele havia rompido. Dei uma esparramada na curva, mas acreditei que conseguiria dar o X naquele momento, mas o carro rodou e eu me vi olhando o Tom Valle, que vinha em quarto, de frente! Foi puro instinto engatar a ré e cruzar a linha de chegada. Depois disso me peguei rindo dentro do carro sobre o acontecido.”.

Já as lembranças de quem estava do outro lado daquele episódio no mínimo curioso, Constantino Júnior, recordou aquele momento assim:

“Aquele foi um final de semana atípico. Algo aconteceu na primeira corrida que eu e o Miguel largamos lá de trás e tivemos que fazer uma corrida inteira de recuperação. Aquele momento, digamos que pitoresco, com o Clemente Lunardi foi uma das coisas mais improváveis que eu vi dentro de uma pista de corrida. O fluido de radiador é pior que óleo para escorregar, acho que ele viu aquela chance de me passar, mas não contava com aquele fluido na pista.”.

A retransmissão dessa corrida movimentada e desse momento marcante na história da Porsche Cup Brasil você confere neste sábado (27) às 14h no canal oficial da Porsche Cup no Youtube.

Luc Monteiro é o responsável pela narração dessa corrida histórica, Dener Pires e Max Wilson acompanham nos comentários.

PARCEIROS