Garanta Seu Ingresso

Da terra ao asfalto, a história de Miguel Mariotti

A integração asfalto e terra tem sido cada dia mais comum no automobilismo nacional e internacional. Grandes nomes das pistas têm se aventurado cada vez mais no mundo do Rali. Porém, um piloto fez o caminho diferente em 2022 e veio da terra ao asfalto. Miguel Mariotti, estreante na Porsche Cup Brasil foi quem aceitou este desafio de trocar de solo.

Nascido no interior da Bahia, na cidade de Luis Eduardo Magalhães, cidade de pouco menos de 100 mil habitantes, perto da divisa com o estado de Tocantins, Mariotti começou sua jornada em competições automotivas no kart cross aos 14 anos de idade. Disputou diversos campeonatos regionais na categoria, até assumir um lugar em um dos UTVs da equipe de sua cidade em 2020. Permaneceu por três anos acelerando na terra pelo Brasil

“Comecei direto na terra, andando de kart cross na Bahia, por lá é muito mais fácil de encontrar o cross do que o kart indoor. Vim de uma cidade pequena e bem no interior do estado, perto da divisa com o Tocantins, então as competições na terra eram as mais comuns. Competi por quase 8 anos na modalidade, até subir em 2020 ao rali para andar de UTV em uma equipe de Luis Eduardo Magalhães. Me mantive disputando campeonatos na terra até entrar na Porsche Cup. Senti que precisava de um desafio diferente e fechamos a temporada de 2022 inteira para acelerar no asfalto.”

A mudança aconteceu em um ano de desafios na categoria. Com a chegada do carro novo, a categoria de entrada assumiu os 991.2 e Mariotti estreou assumindo o comando dos 4.0.

“Tem sido um desafio interessante. Por mais que eu já tenha experiência no automobilismo, são coisas completamente diferentes acelerar no asfalto e na terra. As sensações do carro são bem opostas, o terreno muda muito em relação a pilotagem.”

O jovem piloto de 24 anos comentou sobre as dificuldades de adaptação ao novo desafio, o baiano ressaltou que as reações do carro são completamente diferentes, onde na Porsche Cup, é tudo mais direto do que no Rali.

“As sensações de velocidade no carro são muito maiores, a capacidade de frenagem também muda muito! Aqui no asfalto você tem que andar muito mais no limite e buscando baixar o tempo a cada curva. Coisa que no Rali é diferente, se andar no limite e buscando baixar o tempo a cada curva, a chance de cometer erros é muito maior.”

Com a temporada inteira de Sprint confirmada, Mariotti vai se dedicar inteiramente aos carros de competição mais produzidos do planeta em 2022, o jovem piloto não irá voltar a terra nesta temporada. Mariotti deixou em aberto a possibilidade de participar do encerramento da temporada na etapa de 500km da Endurance Series.

PARCEIROS