Garanta Seu Ingresso

Raul Boesel analisa o Porsche GT3 Cup

Uma das coisas que mais chamam minha atenção no Porsche GT3 Cup Challenge Brasil é o alto nível dos pilotos. Em minha análise anterior, feita após as provas disputadas em junho, eu havia previsto que muitos pilotos estavam prestes a entrar nas disputas por vitórias. Três meses e quatro corridas depois, vejo que minhas impressões se confirmaram. O Ricardo Baptista tornou-se o mais novo vencedor na categoria e muitos outros pilotos tiveram grandes atuações.

O Baptista merece que se tire o chapéu. Em Curitiba, uma pista onde se deu muito bem, ele aproveitou a oportunidade e chegou à sua primeira vitória de maneira merecida, com uma pilotagem perfeita. Foi constante, rápido e não cometeu erros. Vinha mostrando maturidade e constância há várias corridas e deve continuar crescendo, o que será muito bom para a categoria.

A primeira corrida foi vencida pelo Xandy Negrão, mas o Walter Salles foi um competidor muito duro, que não afrouxou o assédio enquanto esteve na pista. Foi pena o Waltinho não terminar a prova, mas ele mostrou muita habilidade e certamente terá outras oportunidades para brilhar no futuro. O Xandy, por sua vez, resistiu bravamente, usando de toda a sua experiência para defender o primeiro lugar. Foi uma batalha aguerrida, mas leal, que encheu os olhos enquanto durou.

Na segunda prova, o Waltinho correu com um carro que não era o dele. Por mais que todos os Porsche 911 GT3 Cup sejam preparados com igualdade, sempre há alguma pequena diferença: um pedal mais duro ou mais macio, uma reação mais acentuada, detalhes como esses. Mesmo assim, não se fez de rogado: ganhou seis posições na primeira volta e manteve um ritmo excelente, ganhando posições e preservando o carro na fase final da corrida.

O Clemente Lunardi confirmou nas corridas a habilidade demonstrada no treino classificatório. É arrojado e a cada prova se posiciona como um forte candidato a vencer corridas. O Otávio Mesquita, sempre competitivo, andou entre os três primeiros na segunda corrida. Em ambas, teve grandes disputas com outros pilotos. Uma delas foi com o Constantino Júnior, que voltou a correr depois de 12 anos afastado das pistas. Ele mostrou-se rápido logo nos primeiros treinos e não precisou de muito tempo para se adaptar novamente à condução de um carro de corrida. Os erros que cometeu na prova 11 foram típicos de quem tinha pouca familiaridade com o carro. Assimilou o ocorrido e conseguiu um ótimo resultado na prova 12. Fiquem de olho nele.

Foi bom ver o Guilherme Figueiroa e o Valter Rossete correndo com mais cabeça e conseguindo resultados respeitáveis. O Figueiroa pareceu estar mais concentrado e isso fez a diferença. Ele andou sempre entre os primeiros. Com o Rossete, aconteceu algo parecido. Ele ganhou mais experiência e certamente vai tirar proveito disso daqui em diante.

Alguns pilotos só tiveram chance de brilhar em uma corrida. Foi o caso do Beto Posses, que teve uma grande briga com o Otávio e o Figueiroa na primeira prova. Ele mostrou ser um osso duro de roer. Com o Marcel Visconde e o Luís Zattar, aconteceu o contrário: eles colidiram juntos logo no começo da 11ª prova. Na seguinte, largaram nos últimos lugares e tiveram um grande duelo enquanto recuperavam posições.

Uma curiosidade é que em Curitiba todos os treinos foram realizados com pista molhada. Alguns pilotos, como o Xandy, o Lunardi, o Salles, o Constantino e o Antônio Hermann mostraram bom desempenho nessas condições.

As duas próximas provas acontecerão em Interlagos, no mesmo final de semana do GP do Brasil de Fórmula 1. Convido o público a permanecer nas arquibancadas para assistir à prova 13, que será realizada logo após o treino classificatório de sábado, e a se programar para assistir também à corrida de domingo, poucas horas antes da largada do GP. Tenho certeza de que quem ainda não viu uma prova do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil vai gostar muito da categoria. Até lá!

PARCEIROS