Garanta Seu Ingresso

O “dia perfeito” para Daniel Schneider na Challenge: pole, vitória e volta mais rápida

O piloto paulista Daniel Schneider viveu neste sábado (26 de maio) um dia inesquecível em Interlagos. Ele dominou a quinta prova da Porsche Challenge e obteve sua primeira vitória na categoria, depois de largar na pole position (também pela primeira vez) e de fazer a volta mais rápida da prova. O resultado permitiu a Schneider, que até então tinha três quartos lugares como melhores resultados, assumir a vice-liderança do campeonato. O líder na pontuação é Gilberto Farah, quarto colocado na corrida.

Como sempre, a corrida da Challenge foi bastante movimentada, com muitas trocas de posição e alguns acidentes. O primeiro deles aconteceu na Descida do Lago na primeira volta, quando Ludovico Pezzangora rodou e foi atingido por Renato Benedetto, levando a direção de prova a acionar o safety car por duas voltas. Na relargada, Schneider manteve a ponta, mas foi ultrapassado por Eduardo Azevedo na Descida do Lago. Azevedo, Schneider e Sylvio de Barros passaram a andar separados por curta distância, numa disputa de prender o fôlego. E que só acabou na oitava volta: Schneider recuperou a liderança na Descida do Lago e logo na sequência Sylvio e Azevedo colidiram. Bem de leve, mas o suficiente para os dois rodarem e perderem muitas posições.

Daí em diante, Rodolfo Ometto passou a ser o mais próximo perseguidor de Schneider, mas sem ameaçar sua vitória. Alan Turres, segundo no grid de largada, perdeu posições na primeira volta, mas se recuperou e conseguiu seu melhor resultado na Challenge. Gilberto Farah, líder do campeonato, terminou em quarto lugar, com Johnny Freire e Tommy Soubihe completando os seis primeiros colocados com direito a pódio. A prova de Soubihe foi particularmente notável: ele não participou do treino classificatório, saiu em último entre os 22 carros e fez uma corrida de recuperação espetacular para terminar em sexto, resistindo à pressão imposta por Sylvio nas voltas finais.

No pódio, com o macacão completamente ensopado pelo espumante jogado pelos colegas, Schneider comemorou muito sua vitória. “Eu já estava bastante confiante depois de fazer a pole position, mas não tinha certeza de como seria o ritmo de corrida”, explicava. “Larguei muito bem, mas depois travei as rodas para evitar uma batida no Dudu (Eduardo Azevedo) e achei que minha corrida estivesse arruinada, porque o carro começou a vibrar muito”, contou. “Eu estava um pouco afobado no começo, mas depois voltei a ter calma. O carro e os pneus foram assentando novamente e consegui colocar pressão nele de novo. Ele acabou errando, e consegui ficar bem mais tranquilo.”

Há alguns meses, Schneider chegou a cogitar a hipótese de parar de correr. Em Interlagos, empolgado e ainda no pódio, com o macacão ensopado pelo espumante despejado pelos pilotos classificados entre segundo e sexto lugares, ele afirmava: “Agora, a possibilidade de eu parar é nenhuma. Não paro nunca mais!”, brincava.

Ometto, segundo colocado, também estava contente com o resultado. “O começo do ano foi bem difícil para mim em Portugal, onde tive zero de sorte. Aqui, consegui manter um bom ritmo na corrida e tive sorte com o enrosco do pessoal. Lutar pela vitória era difícil. Eu já estava com os pneus bem desgastados e até o Alan começou a se aproximar de mim. No meio das curvas, eu perdia um pouco a frente do carro. Mas o Alan também não se aproximava muito e deu tudo certo.”

Turres, por sua vez, celebrou o que definiu como “final de semana de bons resultados”: “Fiz uma largada ruim, caí para quinto ou sexto, mas mantive um ritmo bom de corrida. Depois tive um toque com o Ipe (Ferraiolo) e meus pneus acabaram, porque os travei bastante nesse incidente. Mantive-me em quinto, mas andando bem rápido, não deixando o pelotão da frente escapar. Com a batida do Dudu e do Sylvio, sobrou um terceiro lugar para mim. Eu até conseguiria me aproximar do Rodolfo, mas não tinha mais pneu. Depois administrei a posição. Nesta corrida, me livrei mais das confusões. Nas outras vezes, geralmente acabava no meio delas…”.

Porsche Challenge – Resultado da prova 5
1) 77-Daniel Schneider, 14 voltas em 26:53.869, média de 134,723 km/h
2) 8-Rodolfo Ometto, a 1.619
3) 99-Alan Turres, a 3.057
4) 81-Gilberto Farah, a 9.037
5) 11-Johnny Freire, a 12.530
6) 7-Tommy Soubihe, a 14.161
7) 1-Sylvio de Barros, a 14.418
8) 19-Franco Giaffone, a 22.994
9) 10-Carlos Silveira, a 29.025
10) 88-Eduardo Azevedo, a 34.578
11) 17-Marcelo Stallone, a 35.341
12) 57-Jorge Borelli, a 43.287
13) 3-Armando di Nardo, a 1:29.774
14) 4-Gui Affonso, a 1:40.028
15) 63-Fábio Alves, a 3 voltas (abandono)
16) 25-Guilherme Ribas, a 4 voltas (abandono)
17) 00-Ipe Ferraiolo, a 5 voltas (abandono)
18) 18-Carlos Ambrósio, a 8 voltas (abandono)
19) 9-Edu Guedes, a 13 voltas (abandono)
20) 16-Ludovico Pezzangora, a 14 voltas (abandono)
21) 82-Renato Benedetto, a 14 voltas (abandono)
22) 27-Amilcar Collares, a 14 voltas (abandono)

Volta mais rápida: Rodolfo Ometto, 1:46.253, média de 146,164 km/h

Grid de largada:
1) 77-Daniel Schneider, 1:45.443 (1:45.559)
2) 99-Alan Turres, 1:45.478 (1:45.337)
3) 01-Sylvio de Barros, 1:45.507 (1:45.641)
4) 88-Eduardo Azevedo, 1:45.616 (1:45.615)
5) 00-Ipe Ferraiolo, 1:45.704 (1:45.224)
6) 08-Rodolfo Ometto, 1:45.706 (1:45.601)
7) 81-Gilberto Farah, 1:45.841 (1:45.463)
8) 11-Johnny Freire, 1:45.937 (1:45.717)
9) 04-Gui Affonso, 1:45.958 (727)
10) 19-Franco Giaffone, 1:46.291 (1:45.347)
11) 18-Carlos Ambrósio, 1:45.787
12) 09-Edu Guedes, 1:46.023
13) 17-Marcelo Stallone, 1:46.342
14) 16-Ludovico Pezzangora, 1:46.453
15) 25-Guilherme Ribas, 1:46.458
16) 10-Carlos Silveira, 1:46.616
17) 57-Jorge Borelli, 1:47.264
18) 63-Fábio Alves, 1:47.368
19) 27-Amilcar Collares, 1:47.576
20) 82-Renato Benedetto, 1:48.021
21) 03-Armando di Nardo, 1:52.053
22) 07-Tommy Soubihe, sem tempo

Todos com Porsche 911 GT3 Cup equipados com pneus Yokohama.

Classificação da Porsche Challenge após 5 provas
1) Gilberto Farah, 54 pontos; 2) Daniel Schneider, 39; 3) Johnny Freire, 39; 4) Eduardo Azevedo, 38; 5) Sylvio de Barros, 37; 6) Gui Affonso, 30; 7) Peter O’Donnel, 30; 8) Ipe Ferraiolo, 29; 9) Alan Turres, 28; 10) Guilherme Ribas, 24; 11) Rodolfo Ometto, 22; 12) Edu Guedes, 22; 13) Carlos Silveira, 21; 14) Carlos Ambrósio, 17; 15) Tommy Soubihe, 16; 16) Marcelo Stallone, 15; 17) Amilcar Collares, 10; 18) Franco Giaffone, 8; 19) Ludovico Pezzangora, 5; 20) Jorge Borelli, 4; 21) Vitor Scheid, 4; 22) Armando Di Nardo, 4; 23) Marcello Sarcinella, 3; 24) Renato Benedetto, 2; 25) Fábio Alves, 1 ponto.

PARCEIROS