Relato de prova: Ricardo Baptista e Lucas di Grassi conquistam os 300km de Goiânia com estratégia perfeita

Dupla da equipe Samsung Notebook passa por baixo do radar dos competidores e assume a ponta no stint final. Leia o relato dos 300km de Goiânia na classe 4.0.

Relato
Na largada, Hellmeister foi para cima de Schneider e assumiu a liderança passando por fora no fim da reta dos boxes. Ainda na primeira volta, Guilherme Salas também passou por Schneider, que foi superado por Ricardo Baptista e, na segunda volta, rodou quando era pressionado por Sérgio Jimenez.

Com 15 minutos de corrida, Hellmeister seguia firme na liderança com 1s1 de vantagem sobre Jimenez, que tinha sido o grande nome do começo da prova, avançando cinco posições no pelotão. A seguir, vinham Guilherme Salas, Ricardo Baptista e Miguel Paludo. Destaque também para Enzo Elias, que subiu quatro posições

Jimenez seguiu andando forte, e na altura da 14ª volta a diferença era inferior a meio segundo. Enquanto isso, alguns outros carros já faziam suas primeiras paradas, casos de Ricardo Baptista com o carro #27, Edu Azevedo com o #90 e Adalberto Baptista com o #10, que precisou ir para o reserva, pilotado por Bruno Baptista.

Enquanto isso, os carros #1 com Werner Neugebauer e #81 de Enzo Elias travavam grande duelo pela quinta posição, com Elias defendendo a posição. Depois de 20 voltas, Jimenez entrou nos boxes, após tentar sem sucesso passar Hellmeister. Guilherme Salas avançou para segundo, mas parou na volta 25. Hellmeister seguia na pista, assim como Paludo e Enzo Elias, e o carro #33 que, com a parada dos demais, entrou no top 5 depois do começo mais atribulado.

Hellmeister e Paludo entraram na abertura da volta 27, e Enzo Elias herdou a liderança.

Na volta 30, Lucas di Grassi passou Rodrigo Mello e tomou a nona posição no geral, mas uma posição que valeria um lugar no pódio com a reordenação do pelotão. Logo depois, na 31ª volta, Mello ficou lento na pista, e na mesma passagem, Enzo Elias entrou nos boxes para a primeira parada obrigatória.

Com 45 minutos de prova e 32 voltas completadas, Daniel Schneider reassumiu a liderança da corrida, à frente de Renan Guerra com o carro #45, sendo os únicos a não fazer o pit stop. Entre os que já haviam feito a parada, o líder era Luca em terceiro, seguido por Lucas di Grassi e Cacá Bueno. Na volta 33, Schneider e Guerra pararam nos boxes.

Luca reassumiu a ponta na volta 34, com 55 minutos de prova, seguido de Di Grassi e Bueno, este pressionado por Pedrinho Aguiar. Em quinto aparecia Justin Allgaier.

Entre os carros da 4.0, o primeiro dos top5 a parar foi Lucas di Grassi, entrando nos boxes depois de 35 voltas. Foi a segunda parada do carro #27. Justin Allgaier passou Pedro Aguiar na volta 37 tirando proveito de um retardatário à frente do carro #20. Com isso, o carro #7 patrocinado pela Brandt assumiu o terceiro lugar na prova. Nessa mesma volta, Werner levou para os boxes o carro #1 após fazer um double stint, deixando o carro livre para Zonta conduzir o carro da Shell até o fim da prova.

Cacá Bueno entrou na volta 39 e na mesma passagem, o carro #99, que vinha em segundo na 3.8 com César Ramos, também precisou passar pelos boxes para cumprir uma punição por excesso de velocidade nos boxes. Com 1h05 de prova, Luca seguia em primeiro à frente de Allgaier e Aguiar, com Dennis e Danilo Dirani fechando o top 5. Em sétimo, o carro #33 de Nelsinho Piquet era o mais rápido da pista, virando abaixo da casa de 1m25.

Com 1h10 de corrida foi anunciado um drive through para o carro #5 por corte da linha de entrada dos boxes, o que comprometeria os planos de Cacá Bueno e Sylvio de Barros. Depois de 45 voltas completadas, Luca entrou nos boxes e Allgaier assumiu a liderança. Danilo Dirani era o terceiro à frente de Nelsinho Piquet e Gil Farah.

Com o pit stop de Allgaier, Piquet recuperou a ponta à frente de Farah, com estes não tendo feito o segundo pit.

Allgaier conseguiu um pit um segundo mais rápido do que Luca, saindo dos boxes muito próximo do carro #31 e efetivando a ultrapassagem duas curvas depois, numa briga que prometia ser pela vitória naquele momento, mas era do quinto lugar.

Faltando 25 voltas para o fim, foi anunciado um drive through para o carro #7 por corte da entrada dos boxes, o que também atrapalhou a dupla Justin Allgaier/Miguel Paludo. Quatro voltas depois, a liderança era de Gil Farah com o carro #81, repetindo a estratégia de Enzo Elias no primeiro stint, com uma tocada bem longa, com muito tempo na pista. Em segundo, também com um stint muito preciso, Ricardo Maurício com o carro #90, e em terceiro, Luca.

Enquanto isso, Ricardo Baptista já fazia sua terceira parada com o carro #27 e era o quarto, com Ricardo Zonta em quinto pilotando o carro #31. Na classe 3.8, Átila Abreu assumiu a liderança à frente de Renan Guerra com o carro #45. Em seguida, os carros #33 e #50 também foram punidos por corte na entrada dos boxes. Enquanto isso, Luca era o líder à frente de Zonta e Farah.

Faltando 15 voltas para o fim, o carro #31 saiu dos boxes mas foi ultrapassado pelo #1 numa batalha que prometia ser por uma posição no pódio, já que todos já tinham cumprido as paradas obrigatórias. O líder na pista era Enzo Elias, mas devendo um pit

A 11 voltas da bandeirada, entre os carros que não precisavam mais parar, o líder era Lucas di Grassi, 15 segundos à frente de Edu Azevedo com o carro #90, com uma verdadeira corrida de Sprint entre ele, Zonta e Hellmeister.

Na disputa entre Zonta, Hellmeister e Edu, os dois primeiros conseguiram passar o carro #90. Hellmeister também passou por Zonta, na volta 70. Com as paradas dos carros de Enzo Elias e Nelsinho Piquet, Di Grassi assumiu a ponta no geral, a oito voltas da bandeirada, seguido por Hellmeister, Zonta, Azevedo e Salas.

No fim, Ricardo Baptista e Lucas di Grassi ficaram com a vitória com o carro #27, seguidos por Alan Hellmeister e Luca (carro #31) e Ricardo Zonta e Werner Neugebauer (carro #1).

Resultados 300km de Goiânia (Classe 4.0)
1. #27 Ricardo Baptista e Lucas di Grassi, 79 voltas em 2:12:01.534
2. #31 Luca e Alan Hellmeister*, a 16.504
3. #1 Werner Neugebauer e Ricardo Zonta, a 25.445
4. #90 Eduardo Azevedo e Ricardo Mauricio, a 38.540
5. #20 Pedro Aguiar e Guilherme Salas, a 41.229
6. #7 Miguel Paludo e Justin Allgaier, a 41.388
7. #5 Sylvio de Barros e Cacá Bueno*, a 51.782
8. #33 Daniel Schneider e Nelson Piquet Jr, a 1:22.975
9. #10 Adalberto Baptista e Bruno Baptista*, a 1 volta
10. #81 Gil Farah e Enzo Elias*, a 1 volta
11. #18 Carlos Ambrósio e Dennis Dirani*, a 2 voltas
12. #53 Rodolfo Toni e Danilo Dirani*, a 5 voltas
13. #29 Rodrigo Mello e Sergio Jimenez*, a 17 voltas

PARCEIROS